domingo, setembro 25, 2016

Antevisão/Destaques: Programa 295

Final do mês por aqui quer dizer uma coisa: Colecção RA! Este mês temos boas notícias para os Temple Of The Dog e para os The Dillinger Escape Plan - embora destes últimos hajam também más notícias. E assim sendo, este Domingo exploramos a história do supergrupo de grunge e dos math core/metalcore The Dillinger Escape Plan. Temple Of The Dog de 1991 e Ire Works de 2007 são os discos para ouvir.

---

(1991) Temple Of The Dog - Temple Of The Dog

Os Temple Of The Dog começam por uma tragédia: Andrew Wood dos Mother Love Bone morre de overdose em 1990 e o seu amigo e companheiro de quarto Chris Cornell (Soundgarden) fica devastado gravando duas canções em cassete ("Say Hello 2 Heaven" e "Reach Down"). Este propõe aos restantes membros dos Mother Love Bone, Jeff Ament e Stone Gossard, a gravação de um single de tributo mas são estes que pedem que o tributo seja alargado. Surge um nome em homenagem a uma das canções de Andrew Wood e entretanto entra Mike McCready (ex-Shadow) e Matt Cameron (Soundgarden) para completar a formação - estavam criados os Temple Of The Dog. O disco é gravado em 15 dias, com 10 canções e com o produtor que viria a produzir a estreia de uma banda que entretanto surgia paralelamente a estes Temple Of The Dog, os Pearl Jam. Os Pearl Jam que viriam a ser liderados por um vocalista que é convidado para este disco para fazer coros fazendo um contributo significativo no sucesso do álbum. O disco foi lançado em 1991 quando Seattle estava quase a rebentar, mas sendo um projecto paralelo cada um foi para a sua base: os Soundgarden e os Pearl Jam transformaram-se em super-estrelas depois do empurrão dos Nirvana. Em 1992 a editora A&M aproveita o mega-sucesso do grunge com epicentro em Seattle e reedita o disco. De umas milhares de cópias iniciais, passou a marca do milhão com esta segunda edição. Um sucesso que também foi conseguido à custa de um videoclip e do airplay de "Hunger Strike", com Eddie Vedder a mostrar pela primeira vez os seus dotes musicais. A imortalidade foi conseguida e nem foi preciso a agressividade característica do grunge. Calmo, melódico e único, assim fica marcado este trabalho.

CM

---

(2007) The Dillinger Escape Plan - Ire Works

A tour de promoção a Miss Machine (2004) não foi bondosa para os The Dillinger Escape Plan. O disco, o primeiro com Greg Puciato nas vozes e o primeiro a afastar-se do som metalcore, criou uma divisão entre os fãs e os concertos bombásticos deixaram mazelas nos membros da banda - alguns dos quais deixaram o mundo da música em consequência. Chegados a 2007, sem um segundo guitarrista, os DEP afastaram as dúvidas definitivamente com Ire Works - um disco que mostrava que eram bem mais do que uma banda de metal e que começou a construir a fama de <Radiohead da música pesada>. A agressividade continuava bem patente, mas começaram a introduzir nesta fase uma série de instrumentos estranhos ao rock - violinos e violoncelos, por exemplo - e até alguns samples e elementos electrónicos. O caminho experimental iniciado em Ire Works seria ainda mais sublinhado nos seguintes lançamentos, cada um bem diferente do anterior - fazendo dos DEP um grupo de culto. Agora, quase vinte anos depois da estreia da banda, Ben Weinman e companhia sentem que é tempo de fechar a loja, ainda que estejam prometidos novo disco (Dissociation, a ser lançado já em Outubro) e a consequente tour de promoção. 

AB

Ruído Alternativo: Domingo, 22h-24h na Tejo FM.

Colecção RA: Temple Of The Dog - "Temple Of The Dog" (1991) & The Dillinger Escape Plan - "Ire Works" (2007)

Chega hoje a primeira edição da rubrica Colecção RA desta nova temporada de Ruído Alternativo. Em audição, o único LP dos Temple Of The Dog - supergrupo do grunge que vai voltar a dar concertos - e Ire Works dos The Dillinger Escape Plan, banda que recentemente anunciou um novo disco que marcará a despedida do grupo de rock experimental. Aqui levantamos o véu sobre a escolha destes discos.

---

2016 marca o regresso dos Temple Of The Dog, supergrupo que já o era sem saber. Este ano Chris Cornell, Stone Gossard, Jeff Ament, Mike McCrady e Matt Cameron, aos quais se deve juntar Eddie Vedder, estão de regresso depois de um curto período de actividade entre 1990 e 1992. Andrew Wood, malogrado vocalista que morreu em 1990, vai estar como sempre na mente do grupo de Seattle que conta já com oito datas esgotadas nos Estados Unidos da América, ainda sem nenhuma para a Europa. Se isso não bastasse, dia 30 de Setembro há reedição do disco de estreia homónimo de 1991 dos Temple Of The Dog. Com uma série de inéditos (revelados nas últimas semanas) e que vai ser editado em vários formatos. Sejam bem-vindos de novo.

CM
Temple Of The Dog

---

Construíram a reputação de serem uma das mais destrutivas bandas em concerto - há até várias compilações no Youtube que exemplificam bem porque quem está nas primeiras filas num espectáculo dos The Dillinger Escape Plan dificilmente chegará a casa sem sangue derramado. Mas esta banda é bem mais do que violência e ferocidade ao vivo: reparem bem que eles foram metalcore antes do metalcore ser falado, foram math metal antes do math metal ser falado e daí para cá têm vindo ainda a incorporar elementos electrónicos e progressivos ao seu som. Cada disco dos DEP só tem um ponto em comum - muita agressividade. De resto sempre procuraram sair da sua zona de conforto e fazer coisas novas. Não é à toa que lhes chamam Radiohead do metal... Infelizmente a jornada tem fim marcado em 2017, dizendo o grupo querer acabar no auge e não se deixar cair em decadência. Com a notícia, Greg Puciato, Ben Weinman e companhia chegam a esta Colecção RA com Ire Works, um disco de uma banda da qual vale bem a pena ouvir toda a obra.

AB

The Dillinger Escape Plan

Ruído Alternativo: Domingo, 22h na Tejo FM.

sábado, setembro 17, 2016

Antevisão/Destaques: Programa 294

Uma semana depois, estamos de volta ao ataque com muita nova música e toda a actualidade que marca o mundo do rock em mais uma emissão de Ruído Alternativo na Tejo FM!

Em baixo, fiquem com alguns dos destaques deste programa:

1ª parte:

Deap Vally | Galgo
Xutos & Pontapés | True Widow

2ª parte:

Kim Gordon | Ghost
Metallica | Red Fang

Ruído AlternativoDomingo22h-24h na Tejo FM (emissão online aqui).

sábado, setembro 10, 2016

Antevisão/Destaques: Programa 293

Estamos de regresso! Estamos a comemorar oito anos de Ruído Alternativo e voltamos de novo ao ataque na Tejo FM!

Como prometido temos uma emissão dedicada à nova música que tem saído nos últimos tempos, uma selecção de André Beda e Carlos Montês com algumas das melhores coisas do rock das últimas semanas para ouvir este Domingo.

Em baixo algumas das bandas que passam por este programa:

1ª parte:

Against Me! | Allah-Las
The Warlocks | Nick Cave & The Bad Seeds

2ª parte:

Alter Bridge | Dear Watson
Opeth | Korn

Ruído Alternativo: Domingo, 22h-24h na Tejo FM (emissão online aqui).

terça-feira, setembro 06, 2016

Informação: Fecho E Nova Temporada

Durante o mês de Agosto entrámos de férias e chegou ao fim mais uma temporada de Ruído Alternativo na Tejo FM. Apesar de termos apontado o regresso para o passado dia 4 de Setembro, problemas logísticos e de tempo impediram que tal acontecesse. De qualquer forma, estaremos de regresso ao éter no próximo Domingo, dia 11 de Setembro e, ainda antes, vamos andar a fazer cobertura nas redes sociais ao Reverence Valada 2016.


Nas últimas semanas temos estado atentos ao que se passa no mundo do rock, especialmente aos novos lançamentos.

Vamos estar por Valada do Ribatejo (Cartaxo) já esta semana, entre 8 e 10 de Setembro para acompanhar a edição deste ano do Reverence Festival Valada, da qual faremos, dentro do possível, um acompanhamento in loco. Antes do festival começar, na noite do dia 7, damos as boas vindas aos campistas em modo DJs Ruído Alternativo, com a companhia dos alternadores de discos Everybody Kurt e James Blonde e ainda com a banda I Am The Ghost Of Mars - evento oficial aqui!

Estamos ainda a tentar encontrar o tão precioso tempo para dar resposta aos muitos e-mails de bandas nacionais que temos recebido ao longo dos últimos meses.

Apesar da nossa aparente falta de tempo, dizemos também às bandas que podem continuar a enviar a vossa música para nós, bastando para isso seguir estas indicações.

Para terminar, passam hoje oito anos da primeira emissão do Ruído Alternativo e do começo desta aventura no seio da Tejo FM que, entretanto, extravasou os confins da rádio. Fazemos o que fazemos com gosto e, muitas vezes, sacrificando tempos de descanso e pessoais. É por isso que agradecemos, em primeiro lugar, a todos os que seguem o programa e fazem valer a pena o esforço, mas também à direcção da Tejo FM por continuar a fazer esta aposta no rock alternativo. Uma palavra de apreço a todos os que nos têm apoiado nesta aventura que, parecendo que não, já caminha para a década de existência.    

Podem, de resto, seguir o Ruído Alternativo nas diversas plataformas em que estamos presentes para ficar a par de todas as novidades:

Até ao nosso regresso fiquem na companhia da melhor música.
Boas Audições!

A equipa,
Ruído Alternativo
ruido-alternativo@hotmail.com
André Beda e Carlos Montês

segunda-feira, setembro 05, 2016

Review 2015: A Análise - Epílogo

Com o atraso que já faz parte da tradição do Ruído Alternativo, damos agora por concluída a revista do ano de 2015. A viagem pelos melhores lançamentos do ano passado fez-se, mais uma vez, com os tops 15 de discos nacionais e internacionais, que culminaram em duas emissões radiofónicas: uma com os tops acima referidos e outra onde foram destacados mais 30 álbuns internacionais que não podiam ficar sem uma menção honrosa. Fechamos assim o capítulo 2015 com um resumo e toda a lista dos melhores do ano passado para a equipa. Em baixo, confiram também as frases que marcaram as reviews do Ruído Alternativo:



  • Pista - Bamboleio
    • "No panorama nacional, Bamboleio soa a fresco e tem muito por onde crescer." CM
  • The Temple - Serpentiger
    • "A garra continua lá e Serpentiger prova que os The Temple ainda fazem sentido em 2015" AB
  • TV Rural - Sujo
    • "Os lisboetas, que fazem da banda uma reunião de pessoas interessantes de diferentes quadrantes, continuam a ser hábeis senhores na arte de lidar com palavras..." CM
  • The Japanese Girl - Sonic-Shaped Life
    • "(...) os portuensesThe Japanese Girl atiraram-se para um longa-duração, tela onde podemos apreciar melhor as aventuras da banda pelo punk vestido de negro." AB
  • Moonspell - Extinct
    • " (...) a sua nova habilidade em escrever canções mais catchy"The Last Of Us" e "Extinct", para além de bons números de rock gótico, tinham tudo para serem grandes singles." AB
  • The Walks - Fool's Gold
    • "...temos aqui um dos mais belos conjuntos de canções de 2015." CM
  • Dollar Llamma - Grand Union
    • "Rock duro e suado para abanar o esqueleto e ouvir bem alto. O groove e os Dollar Llamma continuam de mãos dadas." AB
  • Wells Valley - Matter As Regent
    • "Matter As Regent está na vanguarda do metal mais experimental e deixa antever um sucessor com um som ainda mais arrebatador." AB
  • The Glockenwise - Heat
    • "aqui faz o seu melhor capítulo, com canções que nos remetem à pop cruzada de Smiths com a vivacidade de um recentemente afamado Ty Segall." CM
  • Savanna - Dreams To Be Awake
    • "Dreams To Be Awake é servido numa mistura de rock e electrónica, com riffs certeiros e tons prog, e de uma maturidade assinalável." CM
  • Astrodome - Astrodome
    • "(...) na estreia homónima, parecem ter tudo calculado, com build-ups controlados que desaguam em pura fúria fuzz." AB
  • Pega Monstro - Alfarroba
    • "...colaram-se nos ouvidos de muita gente desprevenida, apanhada por este punk caseiro e certeiro, cheio de ruído e de ambição pop." CM
  • Fast Eddie Nelson - Roots Run Deep
    • "Juntando-lhes, na dose certa, rock n' roll e psicadelismo e, claro, a voz rouca do músico, temos algo realmente fora do comum." AB
  • 10 000 Russos - 10 000 Russos
    • "...Pedro Pestana e João Pimenta entregam as linguagens psicadélicas ao espírito kraut, tornando-se hipnóticos, envolventes e narcóticos." CM
  • Equations - High Tower
    • "Sejamos sinceros, as teclas podem rockar: seja com Jerry Lee Lewis ao piano ou com John Lord no órgão dos Deep Purple." AB
  • Sleater-Kinney - No Cities To Love
    • "...mantendo a toada alternativa de alma punk, e onde os toques post-punk brilham no formato de três minutos." CM
  • Elder - Lore
    • "Lore aprimora o stoner expansivo do grupo, que os coloca com um pé no prog." AB
  • Clutch - Psychic Warfare
    • "Psychic Warfare continua a cruzada do antecessor e surpreende pela habilidade de escreverem canções orelhudas" AB
  • Boogarins - Manual Ou Guia Livre De Dissolução Dos Sonhos
    • "...uma viagem por entre sonhos pop de guitarras soltas. É vê-los a crescer." CM
  • Deafheaven - New Bermuda
    • "À volta da banda aglomeram-se assim uma quantidade assinalável e heterogénea de fãs, onde o mais recente New Bermuda é uma enorme confirmação." CM
  • Ghost - Meloria
    • "(...) procuram, em disco, abranger áreas do prog e do doom, sem que nunca seja possível apontar-lhes um estilo característico que não seja o ocultismo." AB
  • Kurt Vile - B'lieve I'm Going Down...
    • "...desde que apostou tudo a solo (...) contam-se uns admiráveis seis discos de originais, primando pela altíssima qualidade e fidelidade." CM
  • Kylesa - Exhausting Fire
    • "(...) continuam na senda de colocar lado a lado o som pesado e as melodias delicadas, as quais podemos agradecer à veia psicadélica do grupo." AB
  • Viet Cong - Viet Cong
    • "As ideias drone e industriais são mais exploradas, com o post-punk como ponto de equilíbrio ao som do grupo. (...) vão saltando do noise para um lugares mais arty..." CM
  • Father John Misty - I Love You, Honeybear
    • "I Love You, Honeybear coloca Tillman definitivamente no mapa, num trabalho conceptual onde confronta a sua relação com a sua mulher..." CM
  • Tame Impala - Currents
    • "Ao que já havia sido feito é juntado a disco, o r'n'b e a música de dança." CM
  • Chelsea Wolfe - Abyss
    • "Chelsea Wolfe volta a provar que está na vanguarda das novas experimentações no campo do rock, sendo uma lufada de ar fresco vestida de preto carregado." AB
  • Black Temple - It All Ends
    • "Apostam em fazer rock pesado e barulhento, mas a sua surpreendente preocupação com as melodias coloca-os entre o melhor de dois mundos" AB
  • Courtney Barnett - Sometimes I Sit And Think, And Sometimes I Just Sit
    • "Barnett validou-se, acima de tudo, como uma das melhores escritoras de canções da actualidade, o argumento ao qual junta o seu precioso indie rock cruzado." CM
  • Baroness - Purple
    • "(...) hoje há uma preocupação enorme com as melodias, fazendo dos Baroness uma máquina de produzir hinos emocionais para gritar a plenos pulmões." AB
  • Eagles Of Death Metal - Zipper Down
    • "...um rock galhofeiro e gingão que continua a fazer-nos dançar, até mesmo quando se atiram para uma balada dos Duran Duran." CM
  • Caspian - Dust And Disquiet
    • "São uma das bandeiras do post-rock e ao quarto disco mostram porquê..." CM
  • The Amazing - Picture You
    • "... álbum trabalhado, que transparece mais a emoção do que o suor." CM
  • Deerhunter - Fadding Frontier
    • "A porção de negro assenta bem nesta pop que viaja por entre sonhos, com cenários pintados com a alma de Sgt. Pepper... e não só." CM
  • Alabama Shakes - Sound & Color
    • "Deixam - em parte - a crueza e o som mais directo de Boys & Girls, e em Sound & Color apresentam diferentes padrões, texturas e camadas." CM
  • Low - Ones And Sixies
    • "Ao 11.º, criam um dos seus melhores discos em anos." CM
  • Royal Headache - High
    • "High é um acto de 'keep it simple', com um punk escorreito e de boa memória pop..." CM
  • Car Seat Headrest - Teens Of Style
    • "... não é mais do que uma reunião de material desde 2011, só que refinado." CM
  • Dilly Dally - Sore
    • "...o transporte certo para um lugar de há 20 anos." CM
  • Drenge - Undertow
    • "...têm aqui um conjunto de músicas de inspiração stoner, grunge e do som dos 90s, bebendo também do novo psicadelismo." CM
  • Protomartyr - The Agent Intellect
    • "Aqui traçam-se caminhos." CM
  • Titus Andronicus - The Most Lamentable Tragedy
    • "Hora e meia da vossa vida que vale bem a pena." CM
  • The Lucid Dream - The Lucid Dream
    • "... há riffs hipnóticos e surpreendentemente orelhudos, e um muro sonoro que nos vicia." CM
  • Spectres - Dying
    • "...tiro certeiro nas andanças do noise e do shoegaze, com uns pós psych." CM
  • Lightning Bolt - Fantasy Empire
    • "Estão mais limpos e claros, mas na mesma boa confusão." CM
  • Faith No More - Sol Invictus
    • "(...) levou os Faith No More a regressarem ligeiramente ao post-punk dos primeiros dias. Porém, esta fera ainda sabe rugir!" AB
  • Toundra - IV
    • "(...) há que realçar a sua sensibilidade para a melodia, criando um disco que podia ser uma banda sonora celestial. Será esta a música que se ouve para além da vida?" AB
  • All Them Witches - Dying Surfer Meets His Maker
    • "Dying Surfer Meets His Maker é daqueles discos que causa no ouvinte a deliciosa dúvida de "como será a próxima faixa?" AB
  • Marilyn Manson - The Pale Emperor
    • "(...) nasce um novo Marilyn Manson, como um porta-estandarte do rock clássico em roupagem comtemporânea" AB
  • Mondo Drag - Mondo Drag
    • "(...) os Mondo Drag parecem ter nascido na Grécia de Epicuro e, chegados ao século XXI, deram de caras com a electricidade." AB
  • Torche - Restarter
    • "Restarter é um aprimorar deste demonominado doom pop, que faz hoje dos Torche uma banda que agrada a meio mundo" AB
  • The Sword - High Country
    • "(...) ao longo de 50 minutos, para além dos Sword experimentarem novas saídas para a sua música, ainda se pode ouvir um pouco dos early days. Nada se perde, tudo se tranforma." AB
  • Pentagram - Curious Volume
    • "(...) a banda de Bobby Liebling tem impeto para dar e vender, ao entrar pelos caminhos do hard rock e do heavy rock setentista" AB
  • Goatsnake - Black Age Blues
    • "Mais maduros, os Goatsnake estregam-nos um belo disco onde o doom aparece de mãos dadas com o blues mais sinistro" AB
  • Windhand - Grief's Infernal Flower
    • "A banda da Virginia deixou grandes indicações nos dois primeiros registos e, com o disco lançado em 2015, torna-se numa força dentro do doom mais underground." AB
  • KEN Mode - Success
    • "Success é um disco que divide àguas: muitos dos fãs mais antigos não gostaram do novo som. Cabe agora à banda escolher o caminho a seguir." AB
  • Killing Joke - Pylon
    • "(...) Pylon é um disco político, onde a mensagem se faz passar entre guitarras ríspidas e sintetizadores." AB
  • Fear Factory - Genexus
    • "(...) à medida que Burton C Bell e Dino Cazares continuam a levar a máquina para a frente, começamos a pensar que a banda é incapaz de fazer um mau disco." AB
  • Mutoid Man - Bleeder
    • "(...) esbatem de uma forma nova e brilhante a barreira que separa o metal do punk, ao longo de um registo cheio de ritmos alucinantes e riffs cuidadosamente esculpidos." AB
  • Refused - Freedom
    • "O facto é que é sempre bom ter de volta uma banda disposta a arriscar a cada disco, pois Freedom é um acto de bravura." AB
Obrigado por estarem desse lado.
Boas Audições!
A equipa,
Ruído Alternativo

quinta-feira, agosto 18, 2016

A Análise: Refused - "Freedom"

Quando se separaram em 1998, os suecos Refused estavam no auge da sua experiência de levar o punk hardcore a mares nunca antes navegados. É claro que ficou a ideia que a banda deixou algo a meio. O regresso aconteceu em plena febre das reuniões e a vontade de fazer um novo disco levou as suas experimentações ainda mais longe em Freedom. Fica a dúvida se este seria o som da banda em 1999, se tivessem continuado, ou se é fruto de 15 anos de paragem. O facto é que é sempre bom ter de volta uma banda disposta a arriscar a cada disco, pois Freedom é um acto de bravura. AB

A Análise: Mutoid Man - "Bleeder"

Pondo as coisas de forma simples, os Mutoid Man são uma das bandas mais excitantes de 2015. Nascidos do caldeirão de bandas que gira à volta dos Converge e dos Cave In, o trio tem em Bleeder um forte LP de estreia. Nele esbatem de uma forma nova e brilhante a barreira que separa o metal do punk, ao longo de um registo cheio de ritmos alucinantes e riffs cuidadosamente esculpidos. E depois há "Bridgeburner" - um "temaço" que merecia perdurar na galeria dos grandes hinos do rock. Ficamos ansiosos pelo sucessor... AB

domingo, agosto 14, 2016

A Análise: Fear Factory - "Genexus"

Sim. Ainda se sente a falta de Raymon Herrera e Christian Wolbers e dos gloriosos anos 90 em que os Fear Factory eram mestres em colocar refrões orelhudos entre a "maquia" sonora industrial. Mas, à medida que Burton C Bell e Dino Cazares continuam a levar a máquina para a frente, começamos a pensar que a banda é incapaz de fazer um mau disco. Talvez falte alguma frescura a Genexus, como até é normal, mas nele sobram ritmos implacáveis e o característico groove. Enquanto assim for, vale a pena seguir em frente. AB

A Análise: Killing Joke - "Pylon"

Os Killing Joke já andam nisto há demasiados anos para se preocuparem em fazer novos discos. Ao longo das décadas deram cartas no post-punk, new wave e rock gótico até se tornarem numa das maiores referências da música industrial. Mas a verdade é que Jaz Coleman e companhia ainda têm muito para dar ao 15º LP da carreira. Pylon é um disco político, onde a mensagem se faz passar entre guitarras ríspidas e sintetizadores. Velhos são os trapos, não os Killing Joke... AB

A Análise: KEN Mode - "Success"

Em 2013 os KEN Mode saltavam, finalmente, para a ribalta das mais entusiasmantes saídas do heavy metal. A influência do noise rock sempre os acompanhou, mas é natural que com a chegada do mestre Steve Albini à cadeira de produtor este viesse a ganhar um protagonismo maior. Success é um disco que divide àguas: muitos dos fãs mais antigos não gostaram do novo som mas, por outro lado, chegaram muitos novos. Cabe agora à banda escolher o caminho a seguir. Por aqui, um grande álbum de rock merecerá sempre a nossa atenção, mudanças de estilo à parte. AB